18.2 C
Cachoeira do Sul
21 de novembro de 2019
Portal da Diocese de Cachoeira do Sul Rs

HOMILIA DA ROMARIA

25ª ROMARIA DIOCESANA DA MÃE DO REDENTOR

BODAS DE CANÁ – Jo 2, 1-11

“Fazei tudo o que Ele vos disser” (2,5)

Estas palavras de Maria aos que estavam servindo, coroam a cena das Bodas. Foram as últimas palavras que Maria pronuncia nos evangelhos e que se tornam, por assim dizer, uma espécie de herança ou legado espiritual deixada para todos nós, seus filhos, batizados e enviados em missão.

Fazer a vontade do seu Filho é missão de todos aqueles que são, pelo batismo, filhos no Filho.

Insisto que hoje, nesta romaria, Nossa Senhora, a Mãe do Redentor diz a todos nós: “Façam o que Ele vos disser”. É a herança que nos deixou.

O Papa Francisco, numa de suas catequeses, tratando justamente deste texto nos diz: “Nestas bodas, de fato é estipulada uma Nova Aliança e aos servos do Senhor, isso é, a toda a Igreja, é confiada uma nova missão – Qualquer coisa que vos diga, faça!”

Servir o Senhor significa se por à escuta de sua Palavra, meditá-la e colocá-la em prática. A missão do cristão, devoto de Maria, deve ser implementada na urgência que ela impõe.

É a recomendação simples, mas essencial da Mãe de Jesus e é o programa de vida do cristão.

A tarefa de cada um de nós, sem exceção, é encher as talhas e confiando nesta Palavra de Deus, para, assim, experimentar a sua eficácia na própria vida.

Ao final da narrativa deste primeiro milagre de Jesus, foi possível perceber que pela fé sólida de Maria no seu Filho, concluir, como relata o evangelista João: “Os Seus discípulos acreditaram n’Ele” (2,11).

Diante disso, em Caná da Galileia, Maria inicia o caminho de fé da Igreja, precedendo os discípulos e orientando para Cristo a atenção dos servidores.

Esta é a razão de nesta romaria e em nossas vidas, reverenciarmos tão fortemente a Mãe do Redentor. Com toda a convicção de reconhecermos nela a primeira discípula missionária. (DAp)

Sua intercessão perseverante e encorajadora leva aqueles que por vezes se encontram diante da experiência do “silêncio de Deus”, a uma fé renovada, convidando-os a esperar para além de toda a esperança, confiando sempre mais na bondade de Deus.

Artigos relacionados