31.1 C
Cachoeira do Sul
25 de outubro de 2020
Portal da Diocese de Cachoeira do Sul Rs

A ARTE DE OUVIR

 

A ARTE DE OUVIR

 

 

         Procura-se alguém que detenha a arte de ouvir. Alguém capaz de ouvir sem julgar, sem criticar, sem emitir conselhos superficiais; alguém que, simplesmente, ouça quieto. É bom se prevenir: sendo mais fácil  a arte de falar, que a arte de ouvir, são poucos os auditores capazes. O perfil de quem ouve requer a virtude da paciência, da compreensão, da aceitação da fragilidade alheia, do entendimento dos sentimentos mais profundos, enfim, a aceitação do outro como ele é sem querer torna-lo parecido consigo, moldado nos seus próprios padrões.

         Sabemos, por experiência, que é difícil falar de nós mesmos. Temos bloqueios íntimos. Temos áreas reservadas e ocultas, dentro de nossa memória, nas quais dificilmente tocamos. Mas, temos certeza que maior dificuldade, para nos abrir, está na ausência de pessoas que desenvolveram a arte de ouvir.

         A solidão que azeda e fragiliza o homem hodierno requer, como antídoto, ouvidos capazes de aceitar sua própria história; ainda mais porque todos têm dificuldade de falar sobre suas crises existenciais.

         Duas formas de solidão podem se implantar, criar raízes e atormentar a vida: a solidão social e a solidão intrapsíquica. A solidão social acontece quando se está só, no meio da multidão: fisicamente próximo, espiritualmente distante. A solidão intrapsíquica se atualiza quando se está distante de si mesmo: não dialoga, não discute, não analisa seus próprios problemas , dificuldades e reações.

         Jesus ensina como superar estas duas barreiras. Ele tinha momentos de recolhimento, de oração e meditação para se interiorizar. Procurava o deserto externo para encontrar o oásis interno. Mas também oportunizava momentos para ouvir seus discípulos: após enviar os 72 discípulos, ao voltarem, os reuniu, num local reservado, para ouvi-los nas suas histórias, nos seus acertos e dificuldades.

         A chamada “Direção Espiritual” é mais acompanhamento carinhoso que aconselhamento generoso. É 90% ouvido atento, 9% olhar carinhoso e 1% aconselhamento prudente. Só o amor é capaz desta dosagem que extirpa a solidão do homem moderno!

Artigos relacionados