18.2 C
Cachoeira do Sul
21 de novembro de 2019
Portal da Diocese de Cachoeira do Sul Rs

DESPOJANDO

DESPOJANDO

Mons. Elcy

Lembro, quando menino, nas tórridas tardes de verão, da corrida para as águas refrescantes do açude. Corria, se despindo dos penduricalhos, tralhas e roupa, para estar nu e livre, quando chegasse às margens e ao mergulho.

Os brinquedos, o bodoque e as roupas ficavam uma lá e outra cá, marcando a rota por onde passara. A inocência não precisava esconder nada e era mostrada na sua pureza infantil, sem nada que a revestisse.

Não é só a saudade que me faz lembrar as aventuras de menino, mas a candura da idade e o significado de toda aquela vivência. A corrida para o refrigério das águas se fazia vida e libertação, gerando a mobilidade do espírito para um mundo de prazer.

Hoje me vejo avançando nos anos, me despojando dos penduricalhos, das roupagens materiais, para desimpedido, me jogar nas águas da Vida Nova. Esta simbologia sacramentaliza a verdadeira e definitiva forma de viver, rumo à felicidade total.

No manancial de Deus eu quero mergulhar. Assim, na medida que avanço, no tempo que consome meus anos, vou-me libertando, à semelhança do menino; me libertando das materialidades, dos títulos, dos destaques, dos poderes e prazeres. Quero meus olhos livres para ver o que me espera; meu coração solto para o amplexo divino; meus braços estendidos para nadar no manancial da Água Viva que brota do lado do peito de meu Redentor.

Artigos relacionados