NOVAS DIRETRIZES PARA A FORMAÇÃO DOS PRESBÍTEROS

NOVAS DIRETRIZES PARA A FORMAÇÃO DOS PRESBÍTEROS

A 56ª Assembleia da CNBB foi uma experiência muito rica de encontro e convívio entre 339 bispos de todo o Brasil além dos Administradores diocesanos. É a única ocasião durante o ano em que todos os bispos do país podem se encontrar, trocar ideias, partilhar experiências, falar sobre suas dificuldades e angústias, rezar e trabalhar juntos. Só por isso, a Assembleia da CNBB já valeria a pena. Mas ela também é uma expressão importante de colegialidade episcopal e da solicitude de cada bispo por toda a Igreja do Brasil. A Assembleia transcorreu em clima fraterno e sereno e foi bastante produtiva, pois discutimos e aprovamos diversos textos e documentos.

As Novas diretrizes, na verdade, não são inteiramente novas, mas foi feita a adequação das Diretrizes que já tínhamos às novas normas e orientações da Santa Sé para a formação sacerdotal no mundo inteiro. Nossas Diretrizes insistem na formação de padres pastores e missionários, com uma forte experiência de Deus e da vida da Igreja. A formação no seminário tem duas grandes metas: a formação de discípulos de Jesus Cristo, durante a etapa dos estudos filosóficos; e a configuração dos formandos com Cristo Sacerdote, durante a etapa dos estudos teológicos. Além disso, a formação sacerdotal, nas novas Diretrizes, é vista a partir de dois grandes enfoques: formação inicial, antes da ordenação sacerdotal; e formação permanente, após a ordenação. As Diretrizes colocam destaque especial na formação permanente do clero, conforme normas também dadas pela Santa Sé.

Outros assuntos foram tratados como a imigração dos venezuelanos, a situação da Amazônia e a conjuntura política nacional.