Primeiro do Ano

 

O Ano Novo, como um palco fechado, está pronto para que as cortinas se abram e revelem as cenas que se sucederão no grande espetáculo da vida. O primeiro dia do Ano Novo, também se compara a um Motor de Arranque que dá a partida à máquina do tempo e depois silencia observando o prodígio da força que ele provocou. Para o cristão o palco da vida ou a arrancada inicial vem impregnados da virtude da esperança, movidos pela arrancada do amor e acionados pelo combustível da fé.

Como não ter esperança se Jesus garantiu que estaria conosco até o fim dos tempos? Como não ter fé, geradora de certeza, se a mão de Deus está estendida para nossa mão, nos amparando na caminhada? Como não ver horizontes melhores no alvorecer se o anoitecer encerrou seus acertos e falhas?

Eu sei, não sou ingênuo, que o mundo dos homens é um mundo complexo, feito de caminhos tortuosos, de terrenos esburacados, de pedras colocadas obstruindo passagens, de falsidade e destruições, mas também sei que tenho um Pai que vela por mim, atento às minhas quedas, de braços estendidos para me acolher no choro dos meus desenganos!

Sei que não adianta olhar para trás lastimando meus tropeços, amargurando minha consciência e desacelerando minha vida nova, neste Novo Ano. Jesus falou: “Deixai os mortos enterrar seus mortos, mas tu vens e segue-me”! É o que eu quero fazer nesta nova oportunidade vivencial e te convido a fazer o mesmo!

Vamos caminhar juntos, que Jesus, a semelhança do que ele fez com os discípulos de Emaús, estará conosco, nos ensinando o rumo certo para a estalagem do repouso do sucesso; Ele mesmo partilhará para nós o Pão que alimenta a Vida.

Se tu queres ter uma Ano Novo que te faça sentido, caminhe com Cristo e teu ano nada terá para ser lastimado!