Quem violou a Família?

QUEM VIOLOU A FAMÍLIA?

 

Na minha já octogenária existência vi nascer e se solidificar famílias com a marca da perenidade do clã, constituindo, gerando vida, amparando desenvolvimento, educando e encaminhando para uma existência digna e humana. Também vi, entristecido, dezenas de amarrações inconsistentes que desejavam ser e não ser a instituição reveladora da intimidade divina!

As primeiras fazem do lar um ninho de amor gerando vidas novas, educando e encaminhando e, aos que envelhecem, guarnecendo com o mesmo carinho que dão aos que nascem, crescem e florescem. Os extremos da vida têm o mesmo tratamento privilegiado pelo clã familiar. As crianças e os idosos usufruem da segurança que pujanceia a vida pela idade, força e amor.

As segundas, que não conseguiram qualificar as relações, eram mais aglomerados do que famílias. Se espalharam, separando distâncias, rompendo afetos e laços afetivos, se desgraçando, tanto no alvorecer, quanto no anoitecer da vida!

As primeiras criaram cerne que lhes garantiu o futuro pela vivência do presente. Enquanto as segundas, só tendo casca, não tiveram a garantida solidez para manter-se além do primeiro vendaval: ruíram!

Nascer nos braços dos pais e morrer nos braços dos filhos, depois é uma sadia longevidade, é o sonho normal que se opõe a nascimentos não planejados, abandonos prematuros, exclusões dos idosos. São dois jeitos: um do jeito ao modelo da Santíssima Trindade é o outro ao modelo do demônio da morte!

O Diabo meteu o forçado no projeto de Deus e o mundo familiar está como você vê.

Meu sonho é da redenção ao modelo divino, imagem humana da Trindade-família!