O “BEM COMUM” DA NAÇÃO

O BEM COMUM DA NAÇÃO

Mons. Elcy

Exercer a democracia é visualizar e concretizar o “Bem Comum”; é participar, para que este “Bem Comum” seja causa das ações políticas. A focagem no bem geral do povo é o crivo de nossas análises, quando nos aproximamos do processo eletivo.

O direito do voto será exercido, sem omissão, porque a omissão não tem a capacidade de construir, mas de deixar que outros o façam à revelia da sua vontade. Poderá, pela omissão ou pela anulação, entronizar um desqualificado no pódio do poder executivo ou do poder legislativo e você será responsabilizado perante a nação e perante Deus!

Ser patriota é amar a Pátria e a Nação. Se sua denominação religiosa for cristã, deverá pautar-se nos Conselhos Evangélicos. Então, o crivo por onde passarão os candidatos, para sua escolha, será mais apertado e deverá seguir os ditames na Bíblia Sagrada. Os ladrões, os corruptos, os assassinos, os abortivos, os escravagistas e outros que se opõem às normas dos dez mandamentos, deverão ser peneirados para fora da sua eleição. Você não deve dar o poder, que vem do povo, a quem não respeitará o direito do povo.

Sua escolha será iluminada pela luz do Espírito Divino. Diante de Deus que é Pai da Nação toda, olhando nos olhos Dele, fará sua opção, cumprindo um rito de oração e adoração. Seus interesses pessoais serão suplantados pelos do “Bem Comum”. É assim que a pessoa de fé age: atualizando o direito democrático, pelo voto, na presença de Deus, sem se escusar ou se omitir!

Desejo-lhe uma feliz escolha. A vez é sua. Não perca a oportunidade de salvar o Brasil!